8 de março de 2013

Mulheres

Do momento em que eu comecei a escrever esse texto, percebi depressa o sexismo e a dupla conduta, mesmo na minha vida, que é repleta de liberdades se formos comparar com tantas outras. Comecei pensando na minha infância. Ia dizer que nessa época não sentia muito o peso do que significava ser uma menina - minha família nunca exigiu alguma conduta típica para mim, eu usava vestidos e bonés, arcos e chuteiras sem nenhum problema, minha cor preferida era (e ainda é) azul. No colégio, jogava futebol e brincava de GoGo's com os meninos, mas também fazia poções mágicas e tinha um esconderijo com as meninas.

Então eu lembrei que meu colégio era católico. Que a diretora pessoalmente palestrava em nossas salas de aula sobre a importância das meninas não usarem saias muito curtas ou blusas que mostrassem a barriga. Lembrei que o clubinho de meninas que eu ia no sábado ensinava sapateado, artesanato e culinária, mas também propagava sobre a importância da virgindade e de como nós tínhamos que proteger nosso corpo como um diamante, pois ele era algo de valor. A dicotomia santa/puta já começava a aparecer na minha vida por aí.

Pensei em como a sexualidade feminina era sempre um mistério para mim. Homens pelados via-se na vida real, mostrar o glorificado órgão era motivo de orgulho até para os menininhos da pré-escola. Nós, meninas, não. Nunca tinha visto uma mulher pelada até descobrir que isso era relativamente fácil procurando nos canais de televisão certos. Lembro-me de como eu e minhas amigas julgávamos toda e qualquer mulher que aparecesse sem roupa - capas de Playboy em seus outdoors pela cidade principalmente. Dizíamos sobre como eram absurdas e desrespeitosas, ao mesmo tempo em que olhávamos curiosas, afinal, o que tinha de tão misterioso em uma mulher?

Do desespero que eu senti quando percebia que os pelos do meu braço escureciam e se tornavam mais espessos até o momento onde definitivamente me censuravam por andar sem sutiã, eu me neguei. Como Simone de Beauvoir disse "Ninguém nasce mulher, torna-se mulher", e esse tornar não vem sem dor, na maioria das vezes. Eu não queria crescer. Não queria ser mulher, ter que usar sutiã, ter que cumprimentar as pessoas com beijinhos na bochecha, ter que "me cuidar", num sentido obrigatório e não divertido como era passar uma sombra azul nos olhos e encher o cabelo de trancinhas. Era esperado que eu fosse aquele ser misterioso. Aquele ser das propagandas, da televisão, das revistas. Sempre bem arrumada, preocupada com a casa, com filhos, supostamente frágil e dependente, que não expunha seus desejos sem ser considerada uma libertina. Eu não era e nem queria ser nenhuma dessas coisas. Na verdade, nessa época eu não queria muito além de brincar e, ok, ter um namoradinho. Outro problema.

Se a sexualidade sempre tinha sido um mistério, o amor romântico se apresentava na minha vida como algo essencial, quase inerente. Afinal, desde pequenas, assistindo a todos aqueles filmes de princesas e lendo livros de contos de fadas, nós, meninas, aprendemos que a conduta da vida é mais ou menos a seguinte: você pode até sofrer, mas quando tiver por volta de uns 20 anos, vai ser linda e participar de alguma grande ocasião onde vestirá o maior e mais belo vestido do mundo, e depois disso você casará com o príncipe dos seus sonhos, e viverá feliz para sempre. Para sempre. Para sempre. Palavras repetidas em toda história. Existe um livro chamado "Complexo de Cinderella", da Colette Dowling, explicando só sobre as implicações desse mito no futuro das nossas vidas. Desde bem nova eu me lembro de ser apaixonada por algum menino da escola. Normal, crianças mimetizam adultos e aprendem assim, mas até que ponto isso era saudável?

Dos 11 aos quase 14 anos eu vivia romances platônicos, onde eu nunca fui apreciada e tinha certeza de que o problema estava comigo. Ah, as inseguranças da adolescência. Se eu soubesse o quanto eu mudaria, com certeza não teria me preocupado tanto. Ou não. Afinal, a cobrança não estava só nos meios de comunicação. Quem nunca ouviu um "se fosse mais magra / se fosse mais bonita / se não tivesse aparelho" de pessoas desavisadas por aí. E, o mais triste de tudo, quem nunca fez um comentário assim? É inevitável julgar os outros em pensamento, mesmo que só um pouquinho, todas essas ideias estão muito enraizadas em nossa mente. Mas acredito que seja possível reverter essa tendência que temos de expor nossos pensamentos preconceituosos, que não levam os sentimentos do outro em conta, e evitar o sofrimento alheio.

E o sofrimento alheio vem de tantas formas. Lembro-me de quando a coordenadora entrou na nossa sala de aula para apresentar as novas regras sobre o uso do uniforme, onde - exclusivamente das meninas - os shorts não poderiam ser muito curtos e nem as calças muito justas, porque colégio não era lugar para essas coisas. Lembro que eu saí para ir ao banheiro e no corredor ela me parou, dizendo que da próxima vez eu seria barrada - segundo ela meu short era muito curto. Nesse dia eu voltei para casa segurando as lágrimas. Não era só um short que estava sendo proibido. Era eu, era minha liberdade. Era minha escolha, e olha que naquela época eu ainda pensava sobre mulheres como santas ou putas, e obviamente, eu não queria ser da segunda categoria. Tinha escolhido usar um short que, na minha concepção, era normal, adequado. E alguém, ainda mais sendo também uma mulher, tinha me negado. Tinha me dito inferior. Tinha me dito justamente aquilo que eu mais temia ser: uma vadia. Alguém que não valorizava o tal diamante que era seu corpo. E no momento em que eu tinha concepções sobre o que significava ser vadia, essas concepções também existiam para outras pessoas. E para elas, onde eu era essa outra, eu é que era a vadia, como nesse excelente post.

Não sei se alguém passa tranquilo pela adolescência, sei que a minha foi um tanto turbulenta, agravada por problemas externos a esses de mudanças físicas e hormonais. De qualquer forma, para as meninas, além das idealizadas expectativas de serem sempre como as modelos e atrizes, ou de um dia aparentarem com a menina mais bonita, ou pelo menos aquela que os meninos chamavam de gostosa na sala, havia o temor das famosas conotações do parágrafo acima: não fazer nada e ser chamada de chata, conservadora, ou se dar liberdade e ser conhecida como a puta, a despudorada. Nenhuma das duas tinha valor perante os olhos dos meninos. As primeiras eram intocáveis e enjoativas, as segundas serviam, no máximo, para uma noite na matinê e depois inventar boatos entre amigos. Mas como que se atingia esse estado do meio? E mais, por que que a única coisa que importava pra gente era como os garotos nos percebiam?

Mais um problema da sociedade machista. Ainda somos ensinadas a medir nosso valor de acordo com o quanto somos apreciadas. E para ser apreciada na nossa sociedade, bem, existem essas normas muito esquisitas a serem seguidas. Desde essa época aí em que eu estou discorrendo, tinha dúvidas muito curiosas sobre como as coisas funcionavam. Pelo que eu entendia, não era ok você fazer pegação com os coleguinhas, mas se você tivesse namorado, estava permitido fazer o que quisesse com ele. Não era ok admitir que você gostava de fazer pegação, mas se você tivesse um namorado, de novo, não tinha problema nenhum. Não era ok ficar com vários, mas mesmo sendo julgada, a garota com esse comportamento continuava ficando com muitos outros. Se não era legal, então por que continuavam ficando com ela? Não era ok ser amiga dessas garotas, porque como diziam elas iriam roubar seu pretendente por serem tão bonitas, mas mesmo assim elas tinham sempre amigas ao redor. Se você ficava com um garoto, te julgavam. Se você não ficava com um garoto, também te julgavam. Como assim dar um fora em alguém que te deseja, mesmo que não seja recíproco?

Esses pensamentos, aliados à todos os outros sobre "tenho que ser gostosa", "tenho que ser desejável", "tenho que ser comportada", "tenho que ter um cabelo liso, uma pele perfeita, nenhuma celulite" rondaram quase toda a minha adolescência como fantasmas negros, por trás de quase todas as minhas escolhas, do que quer que fosse. Eu não me considero uma pessoa que se importava muito com isso, incontáveis vezes eu fui a puta, a vadia, a mal vestida, ou o que quer que fosse. Mas eu nunca deixava de me cobrar. Nunca deixava de me culpar. Felizmente, com o passar do tempo, eu percebi que essas coisas não me definiam. Que eu não precisava ser tudo o que diziam - eu nunca tinha sido, ninguém que eu conhecia era, apesar de esforços muito maiores do que os meus. E a habitual revolta com as conformações da sociedade por vezes saiu do equilíbrio, no outro extremo, me jogando contra minhas emoções e sentimentos. A culpa foi sempre uma ferida aberta, que ainda hoje às vezes custa a fechar. Mas aos poucos vai se curando.

Uma grande ajuda eu consegui quando descobri o feminismo. Meu inconformismo com essas situações encontrava respostas e amparo. Finalmente eu tinha descoberto uma explicação para tudo que eu não entendia quando era mais nova. Finalmente eu entendia o fato de quererem controlar todas as minhas decisões. Finalmente eu entendia por que que homens podiam fazer certas coisas e diziam que mulheres não. Finalmente eu entendia as manobras da mídia para que eu me sentisse mal com meu corpo, minha aparência, minha personalidade. Finalmente eu desenvolvi uma voz. Finalmente eu me libertei.

Ontem, com a péssima posse do pastor Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos, eu refleti, abalada e me sentindo impotente. E lembrei que hoje era o Dia Internacional da Mulher. Mas espera aí, por que que mulher tem um dia só para ela, mesmo? Mais de cinquenta anos após a publicação de O Segundo Sexo, só pode ser porque a mulher continua sendo O Outro. Triste. 

Nesse dia, costumam atribuir às mulheres todos aqueles clichês de seres mais belos do mundo (como se fossem feitas só para serem olhadas), de seres que carregam o milagre da vida (como se fossem parte única disso e como se fosse algo obrigatório), de seres frágeis e emocionais (como se servissem só para sonhar acordadas enquanto lavam o chão do banheiro, mesmo), de como um salto alto lhes confere poder (limitação dos movimentos é poder?). Mas da minha experiência nenhum desses itens me define como mulher. Nenhum deles nunca me fez ou deixou de me fazer mulher. E eu nunca me senti especial, pra melhor ou pior, por causa dele. E bom, sobre os saltos altos, eu acho que nunca me senti com menos poder sobre meus passos do que em cima de um.

Mas isso é só minha visão sobre o tema. Claro que outras mulheres podem se sentir empoderadas por isso. Mas não é só isso. Nunca vai ser só isso. Esse dia não existe para agradecer ou glorificar traços impostos sobre o que é feminilidade; Esse dia existe para lutar. Para conscientizar sobre os problemas. Para pensar sobre por que, mesmo sendo maioria em números, as mulheres ainda são minoria diante da sociedade, tendo seus direitos limitados, sua imagem explorada e sua igualdade posta de lado.

Poder eu senti quando eu aprendi a falar a verdade. A não aceitar de cabeça baixa tudo que me era imposto. A expor meus desejos e sentimentos. Saber que mesmo nos momentos de vergonha, nos momentos em que eu não me aceito e não aceito @s outr@s, eu posso me acolher, tirar a culpa dos meus ombros e recomeçar, com a esperança de que meus atos tornem minha vida e a vida de quem me rodeia mais agradável. Mais doce.

Mulheres não são mistério, não são estereótipo, não são santas, não são putas. São humanas. E tudo que elas pedem é respeito e igualdade.

16 comentários:

  1. AMIGA NEM LI TO COM PRESSA PARABENS PRA GENTE, EH BOM EU RECEBER DIAMANTES OS MELHORES AMIGOS DE UMA MULHER HOJE A NOITE OU VOU ESTOURAR O CARTAO DE CREDITO AMANHA SE NAO BATER O CARRO NO CAMINHO JAH Q SOU UM PERIGO CONSTANTE NO VOLANTE KKKKKKKKK
    AFF ESSAS MULHERES FEMINAZIS QUEIMADORAS DE SUTIA FAZEM EU PAGAR MICO DE RECEBER FLOR AFFFFFF AMIGA UM BEIJO VAMOS MARCAR ALGO ME LIGA BJO AMIGA NO ROSTO NAO SOU LESBICA NE HHAHAHA RS TE AMO LINDA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. uheauehauehuaehaue é brinks, tassinha é ma best friend ;B

      Excluir
    2. desculpa a confusão, ficou meio esquisito pra quem vê de fora mesmo hahaha

      Excluir
  2. Adorei o seu texto. Confesso que meus olhos começaram a lacrimejar, porque eu me vi ali. Descobri o feminismo na adolescência, como você. Sinto que me LIBERTEI. Porém, não estou livre, não?

    Que possamos juntar cada dia mais mulheres e homens nessa luta.

    euingrata.tumblr.com

    ResponderExcluir
  3. Acidgirl disse que tudo é diferente entre homens e mulheres.São VONTADES, DESEJOS, FUNÇÕES, TIPO FÍSICO diferentes, inclusive os INTERESSES. Ñ tem pq você ter direitos iguais.Certas coisas são do papel masculino e outras do papel feminino"

    Muitas pessoas que vêem seus interesses não se encaixando nessas normas, sofrem. Mas é preciso um grande exercício de empatia para poder perceber.O grande papel do feminismo moderno é dizer que existe, sim, um pensamento diferente, e q mudar de comportamento não é + necessário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é diferenre devido às construções sociais e divisões de papéis. afeta até o tipo físico ou atribuir fraqueza a mulher não seria comum se desde criança nos tentam impor passividade e bonecas, em vez de ações e carrinhos, por exemplo.
      ou seja, a acid girl devia parar de falar tanta besteira.

      Excluir
    2. diferente* / nao nos tentassem impor*

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. quero casar com esse texto, me identifiquei demais com ele :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. poxa, muito obrigada! hahaha fico até boba.

      Excluir
  6. Me identifiquei bastante com várias partes do seu relato e também descobri o feminismo adolescente. Achei lindo demais!

    *---*

    ResponderExcluir
  7. Esse texto é incrível! Tenho 13 anos e sofri com essas coisas também, mas o feminismo me ajudou, haha XD
    Enfim, é muito triste ver que nossa sociedade pensa da mesma forma que pensava no século XIX sobre as mulheres, mudaram alguns detalhes apenas :/
    Já sofri com muitos problemas de auto estima por conta disso e até já achei que eu era vadia por gostar de decotes e etc..
    Porém, nunca entendi porque temos que usar sutiã ou porque as pessoas veem peitos como um tabu e nunca entendi porque toda mulher não é nada sem um vestido, salto alto e maquiagem...
    O pior é que eu evito o uso de roupas curtas por medo de ser estuprada ou violentada..chato, né?
    Aiai, um dia muda, eu espero. Quando eu crescer, espero que não exista mais machismo, racismo e homofobia.
    Bjs e parabéns pelo seu texto, muito bonito e ele mostra o que uma menina passa :/

    ResponderExcluir